Rua Luis Faccini, 155, 2º andar - Guarulhos - SP 11 2442-2020

Alteração Retenção INSS Terceiros – Informativo 415

Gostou? compartilhe!

Com diversas mudanças fiscais instituídas pela Secretaria da Receita Federal, alertamos, sobre  a alteração que ocorrerá à partir da competência abril/2019, no que se refere a  retenção do INSS terceiros,  previsto pelo  inciso VI artigo 30  e artigo 31  lei  8212/91, a guia do INSS terceiros passa a ser recolhida pelo documento de arrecadação DARF, ou seja, o mesmo documento utilizado pelas  demais retenções federais (EX. IRRF e CSRF…), com os dados do tomador do serviço (contratante), tendo em vista que a mesma é informada a Secretaria da Receita Federal por intermédio da nova obrigação acessória REINF e confirmada para geração de guia através da DCTF-WEB.

Outra novidade é que,  a DCTF WEB permitirá a extração de um relatório que demonstre todas as retenção INSS, ou seja, sua origem, assim como  os dados do  prestador do serviço e possibilitará a geração de um DARF único para pagamento por período englobando assim todos os valores do INSS (parte prestador e tomador)  juntamente.

Nota –  Esta alteração ocorre para todas as empresas (exceto optantes ao simples nacional) que possui obrigatoriedade à partir de julho/2019.

 As empresas que prestam serviços mediante cessão de mão de obra ou empreitada estão sujeitas à retenção da contribuição previdenciária de 11% (onze por cento) sobre o valor da nota fiscal, fatura ou recibo de prestação de serviços na forma prevista no art. 31 da Lei nº 8.212/1991.  Para as empresas optantes pela desoneração da folha de pagamento, a retenção do INSS será reduzida para 3,5% (três e meio por cento) do valor dos serviços contratados (Lei nº 12.546/2011).

 LEI  8212/91

Art. 30. A arrecadação e o recolhimento das contribuições ou de outras importâncias devidas à Seguridade Social obedecem às seguintes normas:

VI – o proprietário, o incorporador definido na Lei nº 4.591, de 16 de dezembro de 1964, o dono da obra ou condômino da unidade imobiliária, qualquer que seja a forma de contratação da construção, reforma ou acréscimo, são solidários com o construtor, e estes com a subempreiteira, pelo cumprimento das obrigações para com a Seguridade Social, ressalvado o seu direito regressivo contra o executor ou contratante da obra e admitida a retenção de importância a este devida para garantia do cumprimento dessas obrigações, não se aplicando, em qualquer hipótese, o benefício de ordem;     

 Art. 31.  A empresa contratante de serviços executados mediante cessão de mão de obra, inclusive em regime de trabalho temporário, deverá reter 11% (onze por cento) do valor bruto da nota fiscal ou fatura de prestação de serviços e recolher, em nome da empresa cedente da mão de obra, a importância retida até o dia 20 (vinte) do mês subsequente ao da emissão da respectiva nota fiscal ou fatura, ou até o dia útil imediatamente anterior se não houver expediente bancário naquele dia, observado o disposto no § 5o do art. 33 desta Lei.  

Departamento Fiscal Leymar



Gostou? compartilhe!